Menu

Síndrome do pânico: você conhece os sintomas?

abril 23, 2019 - Emoções
Síndrome do pânico: você conhece os sintomas?

Sentir ansiedade de vez em quando é natural. No entanto, o quadro de síndrome do pânico é diferente, já que leva a pessoa a ter crises de ansiedade intensa, que provocam sensações de angústia, terror e quase morte.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), 9,3% da população brasileira sofre com transtornos ansiosos. A grande preocupação é que eles podem ser desencadeadores para outras patologias, como a depressão.

Continue a leitura e entenda melhor sobre esse problema de saúde mental!

Sintomas

A síndrome do pânico é um tipo de transtorno ansioso. No entanto, enquanto uma ansiedade comum pode ser considerada benéfica, sendo capaz de nos antecipar a algum perigo e nos preparar para fugir dele, na síndrome do pânico, a pessoa convive com um estado ansiogênico patológico, desproporcional ao contexto. Isso compromete seu bem-estar e pode incapacitá-la de lidar com questões cotidianas. Os sintomas mais comuns são:

Causas

O transtorno pode estar ligado a diversas causas. Uma delas é a genética, na qual o indivíduo tem familiares com o mesmo problema. Pode ser, também, situacional, em que a pessoa precisa lidar, constantemente, com situações que provocam angústia e preocupação. Por exemplo, passar por períodos com grandes dívidas financeiras pode desencadear as crises. Desequilíbrios químicos no cérebro também podem influenciar a intensidade das sensações.

Dicas para lidar com a síndrome do pânico

Lidar com qualquer tipo de disfunção ou patologia não é fácil. Mas algumas ações ajudam a encarar melhor as angústias.

Identifique se existe um gatilho

Muitas pessoas relatam não existir um gatilho para que as crises aconteçam. Segundo elas, as sensações podem acontecer de repente, em qualquer ambiente em que estejam. Isso pode ser verdade até certo ponto, já que nem sempre os sintomas surgem em algum momento angustiante.

No entanto, se formos avaliar a fundo algumas questões psíquicas, descobriremos pensamentos ruminantes, preocupações excessivas, medos, tristeza, decepções etc. Ou seja, o transtorno não acontece em alguém plenamente feliz e com sensação alta de bem-estar. É importante entender o que está por trás disso.

Aprenda a lidar com a ansiedade

Cada um de nós tem algum nível de ansiedade, com o qual precisamos lidar. É interessante identificar essa sensação quando ainda em um nível baixo, o que ajudará a controlar melhor os sintomas. Descubra atividades que te ajudam a encontrar um equilíbrio mental.

Exercícios físicos, como corrida e ciclismo, ajudam a baixar o nível de cortisol, substância presente quando estamos em situação de muito estresse.

Técnicas de meditação também são benéficas, pois elas nos ensinam a enfrentar melhor nossos pensamentos e nossas sensações negativas.



Não se automedique

Algumas pessoas procuram, por conta própria, medicações ou, ainda, substâncias (como o álcool) para aliviar seus sintomas de ansiedade ou irritação. Essa não é uma prática recomendada, já que pode desencadear outros problemas.

Caso você sinta necessidade de um remédio ou algum tipo de assistência para lidar melhor com tantas sensações ruins, procure ajuda profissional de um psicólogo ou psiquiatra. Eles ajudarão no diagnóstico e darão o tratamento mais indicado.

A síndrome do pânico, se não tratada, tende a ter seus sintomas cada vez mais fortes, fazendo com que o indivíduo passe a ter medo de ficar sozinho e não dar conta de enfrentar uma nova crise. Isso acaba dificultando suas responsabilidades diárias, prejudicando o trabalho ou estudos. Sendo assim, não negligencie seu bem-estar quando os primeiros sinais aparecerem.

Curta e compartilhe este conteúdo para que mais pessoas tenham acesso a informações importantes sobre saúde mental!

Texto escrito por:

Maricléia dos Santos Roman, Psicóloga graduada pela UPF/RS, Especialista em Saúde da Família, Juridica pela Unochapecó/ SC, Palestrante, Coach formada pelo Instituto Brasileiro de Coaching- IBC, como Professional and Self Coaching, certificada nacionalmente pelo IBC e internacionalmente pelo European Coaching Association, Meta fórum internacional Global Coaching Comunity e Internacional of Coaching, analista Comportamental Certificada pelo IBC, Practitioner e Master em PNL pelo Instituto Sabbi/RS.